ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

domingo, junho 21

.
.
.

.
.
.
.
.
.



.

.

.

‘A solidão existe e, ainda por cima, é constitutiva e faz parte. Mas, porque se trata de um sentimento, não é modificável no exterior. À solidão externa chama-se isolamento, e tem remédio. À solidão como sentimento, a tal que desespera, a tal que engelha a pele e a alma, não há pessoas que cheguem, não há festas que disfarcem, não há afectos que calem.

A solidão mais terrível, mais dorida e arreigada é sempre aquela que, inscrita em nós, nos impede de amar os outros e de os deixar ocupar espaço dentro de nós. E dessa, só nós temos, além do mal, a cura.’

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Isabel Leal. Foto de Fabio Keiner


4 comentários:

Anónimo disse...

prazenteiro encontro com o ser...aquele que estava esquecido algures em brumas de solidão, de tristeza...e que o solsticio de verão vem despertar...revelar, sacudindo das trevas do passado,a dor e revela a magia do presente...vivido, sentido, e Possivel...tudo é possível.

Vanessa disse...

ui... isto doeu!

Anónimo disse...

(...)"A solidão mais terrível, mais dorida e arreigada é sempre aquela que, inscrita em nós, nos impede de amar os outros e de os deixar ocupar espaço dentro de nós.(...)" - Indelevelmente imersa numa tão estranha e familiar inquietude, tão desnecessária ao quão familiar é o meu cognoscente do necessário e ponderativamente quotidiano face a este emaranhar de "solidão auto-imposta"...(vou atrever-me a afastar o meu 'Guarda-chuva' e deixar uma frecha entreaberta... Parte está em nós, no quebrar tenuemente este elo de solidao - "E dessa, só nós temos, além do mal, a cura.’"

Um terno sorriso de apreço :-) Maria

Anónimo disse...

E a imagem esta, um verdadeiro convite à devasidão...Oh quão frágil e espaçosa a Solidão...Muito bela a imagem e muito bem contextualizada, por sinal...Pude senti-la como que imersa num aglomerar de um algo que na falta de outro algo - tem tudo de muito - ainda que o seja a solidão!! :-) Maria

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’