ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

domingo, novembro 29

.
.
. .
.
.

'Um visitante chegou a casa de um velho lavrador. Em frente à porta da sua casa encontrava-se sentado um dos seus cães. Era evidente que o cão não estava contente, que algo o incomodava e o irritava, já que ladrava e se queixava sem parar. Depois de uns minutos a ver o evidente estado de incomodidade e dor que o animal exibia, o visitante perguntou ao lavrador o que poderia estar a acontecer ao pobre animal.

- Não se preocupe nem lhe preste atenção - respondeu o lavrador. - Esse cão está há vários anos na mesma.
- Mas... nunca o levou a um veterinário para ver o que pode estar a suceder? - perguntou o visitante.
- Oh, não, eu sei o que é que o incomoda. O que acontece é que é um cão muito preguiçoso.
- E o que tem isso que ver com as suas queixas?
- É que, justamente onde está encostado, encontra-se a ponta de um prego que sobressai do chão, que o pica e o incomoda de cada vez que se senta, e é por isso que ladra e se queixa.
- Mas... porque não vai para outro lugar?
- Porque de certeza que o incomoda o suficiente para se queixar, mas não o suficiente para se mexer.'
.
.
In A Vaca, Camilo Cruz (Obrigado F.N.) Foto de Anapt.
.
.

2 comentários:

Anónimo disse...

(...)"Não se preocupe nem lhe preste atenção...está há vários anos na mesma.(...)eu sei o que é que o incomoda. (...) é muito preguiçoso.(...)onde está encostado, encontra-se a ponta de um prego que sobressai do chão, que o pica e o incomoda de cada vez que se senta, e é por isso que ladra e se queixa.(...)incomoda o suficiente para se queixar, mas não o suficiente para se mexer."

E na nossa vida, o quão sentido se afigura este trecho aqui partilhado...Ano após ano,acompanhamos e ouvimos, acamaradamos vivencial e experiencialmente este "(des)encontrar-se" de muitos e até de nós mesmos e ainda que à possiblidade de uma inquietude, de uma compreensão congruente, cedemos vilmente lugar à indiferença! E porquê?! Porque o "outro" ou "nós mesmos" sabemos a origem e sentimos que o outro sabe a razão de ser desse "algo" e nada faz...E porque haveríamos de ser nós/outro (exteriores e à partida sem nada a ver com esse algo) a tomar uma postura de acção/ resolução desse algo..."não lhe preste atenção"...
Porque esperamos que seja o outro, sempre o outro...
Maria
:-)

A Verdade apanha-se com enganos... disse...

Tal como o cão pensamos sempre que o tempo resolve tudo, mas a verdade é que não é o tempo, somos nós quem temos de tirar o prego que tanto nos incomoda.
(não resisto vou roubar-te o post :))

Marta*

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’