ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

sábado, setembro 8

O Grande Teatro do Mundo 11


'De um ser chamado Homem-Almofada só se pode esperar uma natureza cândida, feliz e sobretudo inofensiva. A não ser que se trate de uma criatura imaginada por Katurian, a personagem central de The Pillowman (2003), do dramaturgo inglês Martin McDonagh. Nesse caso, só pode ser uma criatura que, movida pela mais terrível das boas intenções, se esforça por convencer criancinhas a cometer suicídio. Abordando com humor sardónico e cáustica ironia temas difíceis (ao suicídio infantil some-se ainda o infanticídio e o abuso sexual de menores), McDonagh urde uma irresistível farsa sobre o arsenal de perigos que decorre da, aparentemente inócua, decisão de ficar em casa e escrever uma história. Estreia fulgurante de Tiago Guedes (realizador do filme Coisa Ruim) na encenação, que – conjugando uma excepcional direcção de actores com o inspirado aproveitamento de recursos expressivos como a animação – nos propõe uma comédia negra travestida de drama. Mais uma eloquente prova que os Municipais de Lisboa dão ao Porto de que é possível – e desejável – criar objectos imensamente comunicativos a partir de exigentes matérias textuais e de uma indesmentível diferença artística.'
Programa TNSJ

3 comentários:

a.claudia disse...

texto de um humor negro brilhante,
muito boas interpretações,
encenação sofisticada, própria de 1º mundo

terminou hoje
pena para quem não teve oportunidade de ver :(

Cometa 2000 disse...

ouvi falar muito bem da peça.

pena mesmo de não a ter conseguido ver.

Tinta no Bolso disse...

grande grande peça

sei que já não vou a tempo, mas vão todos ver


ao passado :-)

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’