ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

sábado, abril 5

A Poética de um Clown 17

Bailarina. Miró
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
'Às vezes penso que se fosse uma magnólia quereria ser um laranjeira, se fosse um águia quereria ser um cavalo ou se fosse quadro quereria ser uma fotografia. Esqueço-me que devo ser o que sou. Pela evidência de ser o único que tenho e posso ser e, porque, só quando gostar disso é que posso tocar a felicidade e passá-la.
Fico a pensar que perdemos demasiado tempo em querer dar laranjas, em galopar velozmente ou em ser o flash de um instante supremo. Quando, na verdade, o que podemos fazer é chegar a dar muitas e belas flores, voar cada vez melhor ou tornarmo-nos até num Rembrandt.
Cada qual deve acabar por pegar na própria vida nos braços e beijá-la'.

Arthur Miller
(Um dos muitos rastos do cometa que ficam comigo)

3 comentários:

angela disse...

só quando gostar disso...

Luciano Pfeifer disse...

E a partir disso criarmos nossa própria lenda de vida.
Abração.

Cometa 2000 disse...

bonito ler-me misturado numa frase de miller.
uma honra, devo dizer.

e sim, miró é uma excelente escolha.
:)

um abraço.

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’