ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

terça-feira, maio 20

Homo Faber 24

Gilbert Garcin

Acaso

'De um modo geral, não temos consciência do muito que devemos aos factores aleatórios. O nosso cérebro está programado para não acreditar em acasos. Assim, e para que nos possamos orientar no mundo, o cérebro espelha-nos, muitas vezes uma segurança ilusória.

Num mundo cada vez mais complexo e intrincado somos constantemente obrigados a tomar decisões sem estar na posse de todas as informações necessárias. (...) Podemos orientar o nosso comportamento de modo a que possamos tirar proveito da situação, mesmo quando as condições exteriores se modificam surpreendentemente. É assim que podemos transformar o acaso num aliado. Para além disso, o jogo com o inesperado abre-nos estratégias para desenvolvermos ideias e criarmos, de forma sistemática, oportunidades favoráveis.

No entanto, essas oportunidades não nos vêm cair às mãos de graça. Quem quiser tirar proveito delas tem de se distanciar de uma ilusão arreigada, que consiste na crença de que podemos planear a nossa vida até ao mais ínfimo pormenor. Ocuparmo-nos com o acaso ensina-nos humildade.

No fundo, todos nós sabemos que muitas vezes a segurança é mais desejada do que real. Quando começamos a aprofundar o fenómeno do acaso, essas manobras ilusórias são substituídas por uma confiança no imprevisível – e pela consciência de que temos a capacidade de tirar proveito das surpresas. Conhecer o acaso acalma.

Se nos abrirmos para as incertezas do mundo acabamos por ser premiados bem mais vezes do que esperávamos. Há que contar com milagres.'


Stefan Klein, Como o acaso comanda as nossas vidas, Lua de Papel

2 comentários:

Laura disse...

Gosto muito de ler os posts que são publicados neste Blog. Encontro muitas "respostas" para ordenar os meus pensamentos.
Este Blog faz-me bem.
Obrigado Vitor, por partilhares estes pensamentos connosco.
Um abraço
Laura

Palhaço Voador disse...

De nada Laura. Obrigado por vires cá. Um grande abraço para ti também.

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’