ENTRE O PRAZER E O SIGNIFICADO

segunda-feira, maio 19

Homo Faber 23

Gilbert Garcin
----
'O significado que atribuímos às experiências depende, em grande parte, da nossa própria interpretação. (...) Se as crianças precisam de um conto de fadas, como afirma o título de um famoso livro, então os adultos precisam de mitos.

Mas não é só em situações de crise existencial e após golpes do destino que muitas pessoas sentem o desejo de ver o que lhes aconteceu inserido num contexto mais vasto. Mesmo no dia-a-dia gostam de interpretar os sinais, seguir o proverbial “aceno do destino” e de acreditar, secretamente, que desígnios mais elevados intervieram, desempenhando um papel decisivo nas mais decisivas transformações da vida.

Contra isso não há nada a dizer – desde que consigamos distinguir entre factos e interpretações, de modo a não transformar os produtos da fantasia no fundamento das nossas decisões. Para tomar decisões há sempre melhores estratégias. Trata-se, portanto, de aprender uma espécie de dupla contabilidade, com a qual podemos integrar, simultaneamente, as nossas vivências em duas realidades distintas: por um lado, movemo-nos num mundo de factos comprováveis, e apenas esses devem determinar as nossas acções. Por outro lado, também podemos mergulhar num mundo de interpretações e contextos fantásticos, de onde podemos observar e, eventualmente, até revalorizar as nossas experiências, a partir de uma perspectiva mágica.

Não prescindir de nenhuma destas perspectivas e, no entanto, ser capaz de separar as águas pode parecer estranho, ao até mesmo impossível. No entanto, é bem mais fácil do que parece. No cinema, a arte da dupla contabilidade nada tem de complicado: mergulhamos no enredo de um melodrama, ficamos emocionados, os sentimentos e as lágrimas são genuínos; no entanto, não duvidamos, nem por um segundo, de que a história que está a passar no ecrã não é realidade. No dia-a-dia, uma vida assim, entre a realidade e a interpretação fantasiada também é possível. Ainda por cima, somos nós próprios – e não um destino anónimo – que desempenhamos o papel principal.
--
O poeta Rainer Maria Rilke exprimiu-o desta maneira: “Cada dia deve e tem de ter um sentido, e não é do acaso, mas sim de mim, que ele o deve receber.”’


Stefan Klein, Como o acaso comanda as nossas vidas, Lua de Papel

4 comentários:

PSINOCAS disse...

Obrigada, Vitor, por partilhares coisas tão belas...e esta chegou num momento especial...

A auto-determinação e a possibilidade de escolher é na verdade o bem mais precioso!

Palhaço Voador disse...

De nada, Fernanda. Fico contente por te saber leitora deste blogue. Um abraço.

atento disse...

Aprecio muito os trabalhos de Gilbert Garcin.

klaudia disse...

é engraçado como és um voador mas, às vezes, voas rasante à realidade
um pé na terra e a cabeça no ar
(where else?)

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’

‘Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.’